Neste retorno ao blog, quero começar abordando a cirurgia bariátrica e por que optei por fazê-la.

Faz dez anos que atuo como blogueira no segmento plus size. Este nicho acaba abrangendo comportamento, empoderamento e trabalha diversas questões relacionadas à vida de pessoas gordas de forma geral.

Eu, como influenciadora, sempre batalhei para que as pessoas fossem respeitadas, tratadas com respeito e não inferiorizadas por uma característica física. Minha bandeira sempre foi a de “seja feliz, se ame e se cuide independente de como você é”.

Sempre que pessoas vinham conversar comigo, dizia para que elas fossem em busca daquilo que as fazia feliz. Nunca fui contra ninguém emagrecer e nem fazer a cirurgia bariátrica: a minha mensagem sempre foi a de que você pode e deve ser feliz como é sem abrir mão de se cuidar e se priorizar.

Eu estava realmente de boa com meu corpo, trilhando minha caminhada de amor próprio e aceitação com altos e baixos, como é para todo mundo.

A saúde entrando em colapso

Aos  fiz 32 anos descobri um problema de saúde que me tirou do prumo: a hiperinsulinemia – popularmente conhecida como “pré-diabetes”. Ela estava me fazendo engordar cada vez mais e em 2016 cheguei no meu pico de peso: 138 kg. No dia em que recebi o diagnóstico, chorei demais e me assustei muito, pois diabetes é uma doença forte nas minhas duas famílias. Vi minha tia morrer por causa dela e, constantemente estou acompanhando a luta da minha vó, que já quase teve que amputar os dedos do pé e etc.

Depois desse diagnóstico passei por um tratamento clínico intenso, fiz uma dieta super restrita sem glúten e açúcar e emagreci quase 20 kg. Tomava muitos remédios, fazia acompanhamento nutricional e malhava com personal. Foi um período bem difícil e meu peso, em determinado momento, estacionou e não emagreci mais. Voltei a engordar e, com isso, desenvolvi hipertensão.

Ao receber esse novo diagnóstico que senti que “deu”! Soube que havia chegado no meu limite, que não dava mais para continuar assim e que meus esforços para perder peso estavam sendo em vão, pois chegava num ponto que não perdia mais e outros problemas ainda vinham surgindo, então foi aí que eu dei o basta e decidi recorrer à cirurgia bariátrica.

Leia a matéria que o Universa UOL fez sobre a minha decisão de optar pela bariátrica

O que realmente me fez optar pela cirurgia bariátrica

Não vou negar que tinha preconceitos em relação à cirurgia bariátrica. Antigamente, na minha cabeça, optar por ela era coisa de gente fraca, que não tinha força de vontade real. Eu tinha essa ideia dentro de mim, sabe? Na minha cabeça era como assinar um atestado de que eu era uma fracassada. Cheguei a ir em alguns médicos no passado apenas para entender o processo, mas não gostei de nenhum deles e senti que todos queriam me empurrar a bariátrica como se ela fosse a resolução da minha vida, o milagre esperado.

Quando as coisas têm que acontecer, Deus dá um jeito de encaminhar tudo. Certo dia, já desesperada com os diagnósticos, extremamente infeliz e engordando novamente cada vez mais, encontrei com a Carol, uma amiga minha que tinha feito a cirurgia há uns dois meses. Começamos a conversar, ela me passou toda a perspectiva dela, me falou muito bem do médico que a operou e foi ali, naquele dia, que minha concepção em relação à cirurgia bariátrica começou a mudar. Fiquei pensando em tudo que ela me disse no fim de semana e, na segunda-feira, marquei uma consulta com o Dr. Roberto Dagher, cirurgião dela, para saber o que ele diria sobre meu caso.

O processo para a cirurgia

No dia da consulta, coloquei todas as cartas na mesa e disse que queria um médico humano, que realmente se preocupasse comigo, que quisesse mesmo me ajudar e não simplesmente me vender uma cirurgia. Sabe quando o santo bate? 

O Dr. Roberto me deixou super à vontade e me explicou tudo em detalhes. Em seguida pediu que eu refletisse e que se decidisse seguir adiante, para procurá-lo. Dias depois marquei retorno para dizer que sim, que faria a cirurgia bariátrica e demos sequência a todo o processo. Gostei demais de toda a conversa que tive com ele, inclusive de sua postura profissional e humana.

Eu já fazia terapia, mas troquei de psicóloga para ser acompanhada pela Ana Barcelos, que é especialista em obesidade e bariatricados. Comecei a fazer o acompanhamento nutricional com a Marina Dagher, os exames e marquei a data para o dia 30/10/18. 

Todo o meu processo foi feito pelo meu convênio médico: Unimed. Não tive nenhum problema ou dificuldade, pois me encaixava em todos os requisitos e minha carência já havia passado há anos.

O Dr. Roberto optou pelo método sleeve, também chamado de gastrectomia vertical. Eu tenho 1,80m e no dia da cirurgia estava pesando 128 kg, mas meu maior peso em vida foi 138 kg.

Minha barriga com o dreno dias após da cirurgia bariátrica

Cirurgia bariátrica: resolveu ou não meus problemas?

com -10 kg Meu primeiro antes e durante após o primeiro mês de cirurgia bariátrica

Resumindo muito,  faria tudo novamente porque a bariátrica me devolveu a saúde. Farei mais posts especificando pontos e fases que são cruciais, mas operar foi a melhor decisão que já fiz por mim mesma. Hoje meus exames estão normais, não sofro mais de hipertensão e nem de hiperinsulinemia.

Dia 30/07 fará nove meses que operei e ainda estou emagrecendo. Na data de hoje estou com 92,3 kg e minha meta final é chegar nos 80 kg. Muitas coisas mudaram fisicamente, mas a maior mudança foi no meu interior, pois o processo psicológico pelo qual você passa antes e depois da cirurgia escancara diversos problemas, medos e fantasmas que você precisará lidar e curar para seguir adiante: foi a melhor coisa que me aconteceu!

Agora já não é mais tão fácil assim emagrecer e se eu não tiver foco, disciplina e determinação, as coisas não acontecerão e não atingirei minha meta. A cirurgia bariátrica é apenas um caminho para o emagrecimento, mas não há nenhum milagre, não mesmo. Se ilude quem pensa que é o caminho mais fácil e sem esforço.

Cirurgia bariátrica: uma comparação de silhuetas após 8 meses do procedimento

Em breve falarei mais sobre outras etapas. Se tiverem dúvidas ou curiosidades, me deixem um comentário que responderei!

Comentários

Recomendados

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Required fields are marked *